Rita Lee – Uma autobiografia: motivos para amar uma véia roqueira

Rita Lee: quem não a conhece? a conhece já deve ter ouvido os seus grandes hits, tais como “Erva Venenosa”, “Lança Perfume” e “Amor e…

by 

Rita Lee: quem não a conhece? a conhece já deve ter ouvido os seus grandes hits, tais como “Erva Venenosa”, “Lança Perfume” e “Amor e Sexo”. Além disso, é inegável o fato de que Rita Lee é um patrimônio cultural brasileiro ainda vivo, e que super representa os jovens de hoje: todos modernos, descolados, com sede de lutas sociais e bla ba bla.

Porém, a vida de Rita Lee é bem mais interessante do que suas músicas, e podemos perceber isso claramente no livro “Rita Lee – Uma autobiografia”. A obra foi publicada em 2016 pela Globo Livros, totalizando atualmente mais de 200 mil exemplares vendidos.

Após alguns (vários) anos longe dos palcos e tentando fugir da mídia, Rita resolveu lançar a sua autobiografia relembrando fatos de sua infância, juventude e, claro, o “glorioso” mundo da fama. Na biografia, a cantora afirmou que escrever um livro foi a melhor terapia que já fez, exercitando o autoconhecimento.

O livro Rita Lee - Uma autobiografia já vendeu mais de 200 mil exemplares

A obra

“Rita Lee – Uma autobiografia” traz tristes detalhes sobre a vida da queridíssima estrela do rock brasileiro, como o abuso sexual que sofreu na infância (momento em que perdeu a virgindade), a expulsão do famoso grupo “Os Mutantes” e o envolvimento com as drogas.

Infelizmente muita gente que conhece a Rita, desde o início da carreira, pensa que ela ainda é drogada, porra-louca e malucona. Ok, malucona ela ainda é (!), mas drogada não. Em várias páginas a cantora fala sobre as vezes em que teve de ir ao “hospício” tratar o seu vício por drogas e bebidas. Em resumo, para se livrar da droga, a doidona teve que rever os focos de sua vida e escolher qual seria o melhor caminho: limpeza total com a família ao lado ou viver na solidão junto com as coisas ruins (as drogas, óbvio!).

“Rita Lee – Uma autobiografia” é um dos melhores livros de seu gênero já publicados nos últimos anos. Tem uma excelente escrita, é bem desenvolvido… Rita poderia explorar alguns assuntos, mas preferiu deletar da sua memória e não expor. Achei super válido, afinal, tem coisas que é melhor esquecer do que propagar.

Se a leitura vale à pena? Claro que vale! Mesmo você não sendo fã, o livro é importante para entender um pouco como funciona esse negócio da fama, os tempos passados (alô, ditadura!) e por aí vai. 😉

16 comments

  1. Oi Adriel,
    Já quero ler porque adoro a Rita e ela super lembra minha tia haha
    E olha que eu nem curto muito biografias, mas sendo que é, claramente tem exceção. Ótima resenha.

    tenha um ótimo final de semana.
    Fizemos algumas mudanças no Obsession Valley, e com isso mudamos o nome. Venha conhecer o Canto Cultzíneo!
    Nana – Canto Cultzíneo

  2. Sou apaixonada pela Rita, adoro as músicas e acho que ela revolucionou muito e continua sendo uma figura importante para a cultura do país. Não li a autobiografia dela ainda, mas vou ler, tenho certeza que tem muito conteúdo bom e nos faz refletir muito sobre a fama mesmo, afinal, ela não é tão glamourosa quanto parece, né?! Amei a resenha <3

  3. Assim que vi de quem se tratava esse post lembrei de todos os momentos em que eu quis que o tempo passasse logo pra eu ser adulta e poder ter um cabelo igualzinho o dela hahah <3
    Eu fiquei triste quando soube que ela ia sumir dos palcos mesmo não curtindo muito suas músicas. Não dá pra negar que essa mulher é uma força da natureza e é lamentável tudo o que ela já passou, mas também é incrível ela ter passado por várias coisas horríveis e ter conseguido dar a volta por cima em todas. Fiquei bem interessada no livro <3

    Beijos,
    literarizandomomentos.blogspot.com

  4. A única autobiografia que li na minha vida foi a do Steven Tyler. Não é uma categoria de livro que me interessa particularmente, mas como o personagem dele me intriga e eu adoro as músicas, resolvi mergulhar na loucura dele. Esse universo de "sexo, drogas e rock'n'roll" realmente é repleto de momentos glamourosos, mas por trás tem tanta dor, sacrifício e perdas… Acho bem legal ter este ponto de vista dos artistas.

    Beijos,
    Ju

  5. Não sabia sobre esse livro, não sou muito de biografias, mas é bem legal. Que bom que ela aproveitou a experiência que teve para falar desses assuntos com a gente.

  6. Oi, tudo bem? Eu sou apaixonada pela Rita! Escuto desde pequena! Admito que não sabia quanto ao lançamento de sua autobiografia (que vergonha), mas já vou anotar o nome para futuramente comprar. Ela é uma mulher maravilhosa e com toda a sua carreira… É quase que uma leitura obrigatória para todas as pessoas. Adorei o post.! Parabéns.
    Beijos

  7. Amo, amo, amo Rita Lee. Nunca comprei um livro de biografia, mas dela eu compraria com certeza. Gostaria muito de conhecê-la melhor, é bom saber mais da realidade de um artista, o que aconteceu com ela, acontece com várias celebridades por aí. Feliz que esteja tudo bem agora. Essa capa ficou linda demais!
    Skyscrapers

  8. Sdds de vir aqui, migo, quero você de volta!
    Eu acho a história como pessoa e artista da Rita Lee assim… SENSACIONAL! É muito bom ver mulheres como ela que peitaram os padrões e imposições machistas mesmo numa época em que era mais difícil ainda fazer isso do que é hoje! Mulherão da porra!

  9. com certeza a Rita ajudou na evolução da música brasileira, quebrando alguns tabus e enfrentando com muita coragem o machismo! 🙂

  10. Mí, feminista como tu é, acho que vai adorar muito o livro. em vários pontos a Rita fala sobre como sofreu e teve de juntar força pra não desistir da batalha por igualdade. 🙂

  11. é leitura obrigatória sim! o livro traz muitas informações importantes para entendermos um pouco do mundo musical e até mesmo da ditadura ao qual o Brasil passou. 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.