free hit counter

Razões para (te/me) amar – PARTE 1

Um conto para trazer reflexões necessárias para quem está em um relacionamento ou saindo de um.

by 

Acordei às 06h, como de costume. Meu cachorro estava ao lado da cama, esparramado no cantinho de sempre. Dei um “bom dia” cheio de alegria, mas o doguinho apenas virou o rosto para o outro lado e voltou a dormir. Normal. Ele é assim.

Num impulso, peguei o celular para ler um versículo da bíblia. Dei de cara com 5 mensagens do mozão. Abri imediatamente, porque, geralmente, ele só envia um “Bom dia, vida. Te amo!”. Mais do que isso era anormal.

A quantidade de mensagens de hoje foi diferente, então logo desbloqueei o celular para ler.

“Bom dia, vida. Te amo!

Mas só te amar não é o bastante, né?

Eu preciso me amar, vida. Vc me compreende?

Já faz um tempo que venho te colocando à frente de tudo, deixando de lado meus planos.

Eu acho que a gente deveria dar um tempo…”

E foi assim, curto e grosso, que o mozão tocou num assunto que eu jamais imaginei que existiria entre a gente.

Tempo é o mesmo que término? Como funciona isso? A gente fica distante por um tempo, depois se reencontra e tudo volta a ser como era antes? Alguém me ajuda aqui, por favor?

. . . . .

Depois que terminei de ler as mensagens, as lágrimas começaram a cair. Eu não conseguia imaginar minha vida longe do mozão. Ele era o complemento da minha vida. A parte do meu coração. Ele era o meu tudo. Como ser tudo se ele era o meu tudo? Por favor, alguém me ajuda!

Levantei da cama rapidamente, peguei o celular com mais firmeza e reli o que estava escrito naquelas 5 mensagens.  “Eu acho que a gente deveria dar um tempo”, li em voz alta que até o doguinho levantou num salto.

Tentei ligar para o mozão, mas a ligação não completava.

Mandei um áudio de 2 minutos, coisa que odiava. Apenas um risco apareceu, como se ele tivesse sem internet ou me bloqueado. Nóias foram criadas.

O que fiz de tão ruim? Ou melhor, o que não fiz que ele tanto queria?

Enrolei alguns minutos na cama, tentando controlar as lágrimas, até criar coragem para me arrumar para o trabalho. 07h teria que pegar o metrô para chegar às 09h na empresa. Foi quando ele me ligou…

(CONTINUA)

4 comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *