Precisamos conversar sobre um assunto sério

1,3 milhões: esse é o total de pessoas que se suicidam todos os anos no mundo inteiro. Só no Brasil, a cada 45 minutos uma…

by 

1,3 milhões: esse é o total de pessoas que se suicidam todos os anos no mundo inteiro. Só no Brasil, a cada 45 minutos uma pessoa tira a própria a vida. Quer mais um fato? Pois saiba que, geralmente, os casos de suicídio não são noticiados na imprensa, pois a mesma acredita que estaria invadindo o espaço alheio e até “incentivando” essa prática. Um absurdo.

Em menos de uma semana, 2 jovens da minha cidade se suicidaram, deixando a população, familiares e amigos completamente chocados. O motivo? Simplesmente ninguém sabe! Há suspeita de que sofriam preconceito por serem homossexuais, mas nada foi confirmado. Não foi necessário eles verem matéria na televisão/internet/rádio pra chegarem a este fim. A vontade, acredito eu, simplesmente existia ali na mente deles.

Infelizmente, a imprensa daqui de Araguaína foi omissa ao não divulgar o fato acima. Se fosse algum acidente com vítimas fatais, era capaz de mostrarem nitidamente até o resto dos cadáveres. Então eu pergunto: onde está a imparcialidade/ética que tanto dizem por aí?

O suicídio é uma prática tão comum no nosso país, mas, a imprensa não noticia; não divulga algo tão importante. Não podemos simplesmente fechar os olhos, fingir que nada aconteceu e que outras pessoas também não poderão ter este mesmo fim. Vale ressaltar que eu não estou querendo que apenas informe o fato, mas também traga a opinião/dica de profissionais da área da saúde mental.

O tema “suicídio” precisa ser debatido e divulgado, pois ninguém tira a própria vida porque simplesmente está cansado e quer uma folga. Pra pessoa chegar a este ponto, sua mente deve estar doente, ferida e necessitando de tratamento. Mas, não tem como chegar em alguém e dizer “quero me matar. O que eu faço?”, se esse tipo de assunto não é abordado no nosso dia a dia.

Simplesmente ninguém debate sobre o suicídio, e sabe por quê? Por que não é noticiado e o que não é noticiado, a gente sabe que pro resto do mundo não existe. Não estou culpando a imprensa, mas… não é ela a responsável por orientar, informar e ajudar?

Outra pergunta: por que os Estados Unidos fazem questão de mostrar casos de suicídios/serial killer? Claro que não é pra incentivar, mas pra chamar a atenção da sociedade e alertar aos pais/familiares/amigos de que as pessoas podem sim ficar doentes da mente. Afinal, ninguém se mata por querer.

Enquanto a informação/orientação continua sendo segredada, milhões de pessoas estão por aí cogitando se matar, porque não viram na tv, internet ou rádio que tudo tem uma resolução, e que a morte não é o fim dos problemas.

30 comments

  1. Oi, Adriel!
    Hoje seu post é mais sério, mas muito pertinente mesmo. Concordo contigo em tudo, número, gênero e grau. Suicídio não é algo que acontece raramente no nosso país, e eu sei que quem está passando por esse sentimento, não recebe nenhum tipo de apoio, não tem informação, não sabe o que fazer…
    Como você falou, os EUA realmente divulgam muito mais sobre isso e acaba que essa divulgação têm realmente surtido efeito na diminuição dos casos.
    Um outro exemplo em que a mídia vêm ajudando na diminuição é o próprio bullying. Como a gente sempre diz: na nossa época existia, mas não tinha nome e nem propaganda. Sofri com bullying quando criança e hoje vejo que isso vem diminuindo muito nas escolas. Justamente pela propaganda, pelas divulgações. Coisa que os EUA já faziam faz muito tempo, já que o problema é recorrente lá também.
    Não adianta o Governo fugir disso, a mídia no geral, podemos tirar um pouco de propagandas caras no horário nobre pra falar um pouco sobre suicídio, podemos gastar um pouco em impressões de folders pra distribuir pra galera… o importante é não deixar o povo na escuridão, sem saber o que fazer.
    Beijos
    vidaemmarte.com.br

  2. Eu acho que a sociedade como um todo lida com o suicídio de uma forma muito despreparada. Não só um país, um grupo ou o que quer que seja: é todo mundo.
    Ano passado li um livro MARAVILHOSO sobre o assunto chamado Por Lugares Incríveis e me fez pensar muito sobre…
    Sobre como tratam alguém que sobrevive a uma doença como um vitorioso e um outro alguém que sobrevive a uma tentativa de suicídio como um perdedor.
    Sobre como um jovem morrer em um acidente é uma tragédia para a família, mas um outro morrer por ter escolhido assim uma vergonha.
    Sobre como se as pessoas falassem sobre isso, não só na mídia mas também dentro da própria casa, vários dos problemas que essas pessoas passam seriam resolvidos e elas poderiam parar de sobreviver para VIVER realmente.
    Enquanto lidarmos (ou melhor: lidarem) com a depressão como uma fraqueza, com o politicamente correto como "chato, sem humor" e com a necessidade de um tratamento psicológico ou psiquiátrico como algo de gente louca, que causa vergonha, esses índices continuarão tristes assim. E não é muito difícil resolver, né? Um pouquinho de empatia já ajuda – e muito!

  3. Oi!

    Você está certíssimo, é preciso que o assunto seja divulgado e que as causas sejam discutidas para que esse número diminua.
    Não sei se você conhece, mas tem um livro da Gayle Forman que chama Eu Estive Aqui e que fala exatamente sobre isso. Achei que a autora falou sobre os pontos cruciais nessa situação. Você credita que existem sites na internet que apoiam esse tipo de coisa?
    Por isso esse tema deveria ser melhor analisado!

    Beijos

    ooutroladodaraposa.com.br

  4. Senti na pele aos 7 anos o que a falta de diálogo pode fazer, o pior é que não apaga da alma o que eu vi. Esse tema já passou pela minha cabeça, inevitavelmente milhares de vezes ao lembrar o que aconteceu. Por isso eu amo escrever, meu escape e um desabafo da alma.
    charme-se.com

  5. Concordo plenamente, Adri! Adoro esses debates intensos de temáticas "abandonadas" que você sempre acende por aqui. É preciso mais incentivo, mais informações que deem suportes, e isso tudo só nasce da discussão, do aprofundamento, da divulgação e debate. É claro que tudo depende de como será dito, de como os dois lados da moeda serão abordados sem esquecimentos, mas sendo algo bem elaborado para passar as mensagens certas, com entrevistas e especialistas como base, realmente seria algo de grande riqueza para evoluir e apoiar a nossa sociedade e, inclusive, alertar ainda mais sobre preconceitos e diversos desses pontos que costumam ser estopins para fatores do tipo.

    SEMQUASES.COM

  6. ótima discussão. A imprensa é mais direcionada a passar informação. A questão de orientar fica pra parte da família-escola-gov/estado que aí, juntamente com os meios de comunicação podem fazer essa parceria. Mas sim, é um assunto sério que não é visto na tv, nem em casa. Pelas pessoas com doença mental ainda serem mal vistas, isso acaba fazendo com que pessoas que sofrem com isso se acomodem na doença e não discutam com as pessoas ao redor. E isso junta com o fato das pessoas ao redor nunca comentarem sobre isso. Acho que seu post é digno de encaminhar para os jornais da sua cidade, não sei. Isso precisa ser falado SIM! E falado de uma forma séria, sem preconceitos, sem julgamentos.

    sushibaiano.blogspot.com.br

  7. São dadps realmente muito preocupante!
    Entendo o quanto as coisas podem ser complicadas na vida e que nossa mente tem que lidar com muitas coisas, a vida não é fácil, mas é preciosa. Nossa sociedade não sabe lidar com isso, ninguém sabe. Também ninguém pode julgar o outro como fraco ou louco por ter feito o que fez.
    Um beijo, Adriel!

    impulsofeminino.com

  8. Oi Adriel.
    Meus parabéns pela abordagem do post e concordo plenamente com você. O suicídio é tão sério quanto o próprio homicídio, ambos são mortes trágicas. Mas, é muito fácil fechar os olhos e não sentir o quanto isso é sério! É como dizem por aí: Uma pessoa que comete o suicídio, quer se livrar de um problema, de uma dor… E sem dúvidas é uma dor muito grande. Não é qualquer coisa.
    Infelizmente a mídia é maquiada, :/ ainda!
    Beijos, ótimo post!

  9. Oi
    o que você falou e a verdade, nunca vejo na televisão falarem desse tipo de assunto, até quando eu fazia faculdade escutava casos de universitários que se suicidaram, mas nunca vi na mídia e sim na boca do povo, o assunto é muito sério. A coreia do sul também um País com alto nível de suicídio entre o jovens, bullying. Gosto das postagens daqui, sempre falando de assuntos sérios.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

  10. Olá, Adriel.
    Eu concordo com você. Tem que ser divulgado e propagado para ver se as pessoas acordam. Eu não tinha ideia da quantidade de pessoas que se suicidam até ler o livro Por Lugares Incríveis. E o numero dos que tentam e não conseguem é bem maior.

    Blog Prefácio

  11. posso estar falando bobeira (até porque não pesquisei a fundo), mas parece que tem alguma coisa limitando a divulgação maciça de suícidos pela imprensa pq aparentemente eles aumentam após isso. será que é verdade? 🙁 eu sempre fico chocada com casos assim Adriel, pensando na dor da família, da pessoa também por chegar a esse nível de desespero, enfim… 🙁

  12. Esse realmente é um assunto bem difícil a ser falado, confesso. Eu entendo que muitas pessoas sofrem por seus motivos, e todos temos alguma cicatriz ou algo que nos incomoda. Eu não teria coragem, pelo menos eu acho, de tirar minha vida. Porque acho que quando uma pessoa se encontra num momento desesperador na vida, a única solução que ela encontra, é tirar sua própria vida, infelizmente. O que resta mesmo é esse assunto ser discutido pela sociedade, e o campanhas serem criadas, mas de uma forma inovadora.
    Abraços 🙂 e adorei o post!

    ricknegreiros.com.br

  13. Adriel sempre com assuntos polêmicos e pertinentes, por isso adoro passar por aqui! É engraçado que quando o metro de SP anuncia que possui usuários na linha, todo mundo sabe que alguém se jogou, mas ninguém fala nada, ninguém comenta nada. Super concordo com vc, é um assunto sim a ser discutido!

    Ótimo post!

    Bjs, Michele

    O que tem na nossa estante

  14. exatamente! não tem como ocultar/esconder esses fatos. a informação toma um rumo ignorado boca a boca mesmo. por isso é bom a imprensa esclarecer pra ninguém sair por aí aumentando a história. =/

  15. Olá, Adriel! Tudo bem?
    Adorei o post! O assunto abordado é sim bem pesado, mas nem por isso devemos fingir que não existe. Afinal, o suicídio é algo presente em nossa sociedade. Que nunca pensou por mais breve que tenha sido em por em prática essa ação? Achei super bacana você falar abertamente sobre o assunto e trazer dicas para driblar esse sentimento.

    Até mais. realidadecaotica.blogspot.com.br/

  16. Infelizmente todas as doenças da mente não são tratadas com a seriedade que merecem. Pessoas que cometem suicídio estão doentes e precisam de ajuda, muitas vezes elas até tentam falar com alguém, mas a maioria das pessoas acha que é frescura e não dá importância.
    Muito bom você ter abordado esse assunto por aqui.
    Beijos
    Bluebell Bee

  17. É por isso que eu adoro os seus posts, Adriel. É incrível ler um post tendo a certeza de que o autor do mesmo se preocupa realmente com tal situação e, mais importante, acredita em cada palavra que disse. Acredito que, mesmo tentando esconder, nós, leitores de blogs, sempre conseguimos sentir o quanto o blogueiro se esforçou para fazer um post 100%, sabe? E, nesse post, eu senti isso assim que acabei de ler. Obrigada por ter trazido um assunto tão importante como esse para os seus leitores. Mesmo sabendo que a maioria de nós nunca irá se suicidar, é sempre bom ler palavras de conforto e, mais importante, questionamentos sobre esse assunto tão sério.

    Abraço,
    omundodemis.blogspot.com

  18. Oi Adriel,
    Ótima discussão adorei o tema.
    Infelizmente, sinto que não é um assunto levado muito a sério. Aqui em casa mesmo, quando vemos na tv a reação dos meus pais são sempre ridículas.

    Eu sou a última para falar alguma coisa porque na adolescência pensava nisso várias vezes.

    P.S.: Obrigada pelos parabéns e por responder a pesquisa *.*

    tenha um lindo domingo. =D
    Nana – Obsession Valley

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *