free hit counter

Me deixa fantasiar só um pouquinho?

Mas, é melhor não me estender muito, porque tudo isso não passa apenas de idealizações.

by 

Prometi a mim mesmo que não iria criar fanfics com ~certa pessoa~, mas cá estou eu me contradizendo e me permitindo imaginar altas aventuras com o dito cujo, mesmo ele nem tendo noção dos meus sentimentos. Para falar a verdade, nem eu mesmo sei o que sinto.

Admiração? Carência? Desejo?

O fato é que imaginar a gente juntos é uma delícia!

Senta que lá vem a fic…

Photo by DAT VO on Unsplash

Por exemplo, numa tarde de sábado ou domingo, poderíamos estar em um parque da capital, sentados e preparando um piquenique. Depois, cada um pegaria seu livro e deitaria sobre o lençol estirado no gramado, parando vez ou outra para comentar a leitura.

Após uma tarde de conversa, gordices e troca de ideias, organizaríamos as coisas para voltar para o nosso apartamento, que felizmente seria localizado próximo ao parque. Logo mais, teríamos um jantar com amigos em um restaurante do outro lado da cidade.

Tipo assim: nós não seríamos iguais. Não mesmo. Ele não gostaria de se atrasar, já eu seria o oposto, deixando tudo para última hora. E por isso ficaríamos sem conversar, no trânsito, porque discutiríamos minutos antes de sair de casa. 

Mas, dessa vez, ele cederia e me pediria desculpas por se exaltar e me chamar de “descompromissado”. Eu também o desculparia, pois não compensaria chegar ao restaurante com um climão. Nossos amigos não mereceriam aquela energia… Por isso, nós iríamos atribuir um estado de paz, com um selinhho, antes de descer do carro.

Photo by Roman Kraft on Unsplash

O papo no restaurante seria incrível. Compartilharíamos algumas conquistas, aprendizados com o relacionamento e metas para as férias de verão, que logo estariam chegando. Aliás, a gente até marcaria de irmos juntos para o litoral em grupinho de casais!

Na volta para casa, eu e o dito cujo ouviríamos nossa playlist compartilhada, sendo que quando tocasse “She Wants Me (To be Loved)”, do The Happy Fit, ele relembraria nosso primeiro encontro, quando nosso contato deixou de ser apenas virtual. Eu soltaria baixinho um “eu te amo” e ele diria o mesmo. Ou apenas daria aquela piscada, que me deixaria com a certeza de que realmente havia feito a escolha certa em mudar de estado, carreira e deixado para trás alguns sonhos.

E ao chegar em casa, exaustos de um dia com muitas atividades, não teríamos energia para um sexo, mas dormiríamos abraçados. Às vezes, esse contato é melhor do que horas de endorfina circulando pelo corpo.

Mas, é melhor parar por aqui e entender que tudo o que descrevi acima não passa apenas de idealizações; que da parte dele nada disso é real ou cogitado.

Ele continuará sendo meu amigo. Um bom amigo, por sinal. Vai surgir do nada, me chamando para papear e falar sobre projetos aleatórios. E tá tudo bem. Outro dia, num sonho, o imaginei falando para mim que não daríamos certo, porque a nossa amizade é mais importante que tudo. E eu concordo.

Eu amo a amizade do dito cujo e as trocas de energias que fazemos sempre que conversarmos. Só trocaria isso se fosse pra viver a vida inteira ao seu lado. ❤️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *