Estilo musical: cada um tem o seu (ou não!)

01/04/2015 – Quarta-feira  Sabe quando você simplesmente cansa de ouvir as mesmas músicas e precisa com urgência de novos ritmos? Ando nessa sina! É que…

by 

01/04/2015 – Quarta-feira 


Sabe quando você simplesmente cansa de ouvir as mesmas músicas e precisa com urgência de novos ritmos? Ando nessa sina! É que eu tô cansando de música gringa, rock paulera… A fase sentimental que eu ando também não ajuda.

Eu também sinto saudades daquelas músicas bem escritas, que toca de verdade em que está ouvindo, que tem uma história interessante na letra…

Foi com base em todo esse drama que, em uma noite de profunda depressão, eu me joguei no Youtube com um único intuito: procurar canções de amor com letras lindas. O mais difícil é que eu queria músicas brasileiras, e a gente sabe como anda o nosso mercado musical.

Eu achei. Na verdade, eu já conhecia a música, só não lembrava do nome, inclusive esse trecho de “É amor demais”, do Edson e Hudson, não sai da minha cabeça:

“… Tô cansado de te ver sofrer por alguém que não soube te amar. Vendo tudo isso acontecer, é o momento de me declarar…”.

O fato é que eu cheguei a uma conclusão: aquele lance de “quanto mais nos definimos, mais no limitamos” não é balela, é a mais pura verdade. Se você se rotula como roqueiro, por exemplo, acaba abrindo mão de outros estilos musicais, de outras culturas (?), enfim, de se relacionar com outras pessoas.

E eu acho que a gente tem que ouvir aquilo que nos faz bem, nos deixa felizes… Se um forró te levantou o astral, porque não aceitar que o estilo é legal?! O mesmo eu digo pro funk, sertanejo, hip hop… 

Então, eu só peço a quem está ao meu lado que não me julgue por isso. Daqui a pouco eu levanto a cabeça e continuo seguindo a minha vida, mas, acho que agora, mais do que nunca, tenho que aproveitar um pouquinho tudo isso. 

Se me permitem, vou ali voltar à ouvir um sertanejo de verdade.

10 comments

  1. Olá!
    Concordo, Adriel! Meu estilo "base" é o rock, mas não me limito só a isso.
    Música tem esse poder mágico de nos colocar pra cima então por que raios vou deixar de ouvir alguma só porque não se encaixa no meu estilo principal. Eu, por exemplo, adoro Whitesnake mas tem dias que só quero ouvir Alanis Morisette. Tenho High School Musical, Demi Lovato, Zeca Baleiro e Nirvana num mesmo cd e sou feliz assim 🙂
    Beijão, Adriel! E força que essa sua fase tristinha vai passar =*

  2. eu sou bem pop, pop-rock, mas quando vou pras festas eu só torço o nariz pro reggae, que é o único estilo que eu não curto, e pros funks mais pesados. Conheço (e gosto) de muita música do axé, sertanejo, forró, funk, samba, pagode, rock, etc. Cresci ouvindo alguns desses estilos, mas o pop sempre predominou na minha vida.
    Posso ouvir Beatles e na faixa seguinte tá ouvindo RBD. Vou de ABBA a Sandy e Junior numa boa.
    ;*

  3. Eu mais ou menos tenho meu estilo musical, mas é mais pelo fato das músicas que eu gosto de encaixarem nele do que tentar gostar só das que encaixam… (Não sei se fez sentido, mas ok.)
    Conheço muita gente (adulta!) que para se manter num estilo força gostar ou detestar algumas músicas… CADÊ O SENTIDO? Música serve pra deixar a gente feliz, não é status!!!!!!!!!!
    Muito bom o post!

  4. Oi Adriel,
    Não costumo escutar muito sertanejo, mas adoro Victor e Leo haha
    Esse pessoal novo sou uma negação, não conheço quase ninguém e tem umas músicas que não curto.

    Costumo dar chance pra tudo, mas tem coisa que não desce, infelizmente.

    bjs e tenha uma linda terça!
    Nana – Obsession Valley

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.