Convivendo com a bipolaridade

Eu não sei muito bem quando tudo começou, porque tive uma infância tranquila e bastante sociável. Somente agora, com a chegada da vida adulta, foi…

by 
Eu não sei muito bem quando tudo começou, porque tive uma infância tranquila e bastante sociável. Somente agora, com a chegada da vida adulta, foi que eu percebi que o meu humor oscila demais, fazendo com que, em pouco tempo, eu sinta ódio ou ame algo. Às vezes isso acontece em dias e até mesmo horas… É complicado até pra explicar, sabe?
O choque com a realidade foi maior após eu decidir morar “sozinho“. Não tão sozinho, porque eu dividia aluguel com uma amiga. Diante dessa “nova” vida, foi complicado aceitar a realidade da vida bipolar e ter a verdade escancarada  na sua cara. 
Eu explico.
Quando eu fui morar com uma amiga, já sabia que há um tempo ela passou por tratamento psicológico, já que foi diagnosticada com distimia (uma espécie de depressão). Após a nossa convivência, ela detectou a minha oscilação de humor e a forma como eu tratava as pessoas. Simplesmente tinha uma dupla personalidade. Não é que eu seja falso ou coisa do tipo… Eu simplesmente mudava o humor com muita facilidade, fazendo com que o mau humor e falta de paciência dominassem boa parte dos meus dias. E eu não tinha motivos pra isso.
A situação piorou ainda mais quando eu percebi que estava me afastando dos amigos da faculdade. Chegou uma época em que ninguém falava comigo, porque eu simplesmente estava horrível de chato. Tipo: uma hora eu estava todo felizinho, mas em pouco tempo odiava o mundo/universo. Também sem motivo algum. 
Com a certeza de que eu precisava de ajuda, procure alguns testes na internet e, pasme, todos eles acusaram a bipolaridade. Tive que procurar ajuda de um profissional, né?! Procurei a psicóloga de uma amiga e, após muita conversa, chegamos ao laudo: bipolaridade tipo 2. Essa é a mais leve, onde você só oscila o humor, sem entrar muito no campo depressivo.

Antes que pensem por aí que bipolaridade se trata somente com remédio, saibam que não! Algumas das formas de lidar com o transtorno, é: se alimentar corretamente, fazer algum exercício físico, dormir bem e também ser compreendido. 
Felizmente, no meu caso bastou cultivar bons hábitos e, principalmente, fazer exercício físico. Juro que a minha vida muda quando estou na academia… Passei um tempinho longe, mas espero voltar em breve, pois as coisas por aqui estão voltando a ser como no passado: eu me tornando um chato.

Se você já passou por algo semelhante (oscilação de humor constante, por exemplo), procure tratamento antes que a situação não piore e você precise viver à base de medicamento.  Mais informações à respeito desse transtorno, além de testes, você encontra aqui.

 Um beijo!

30 comments

  1. Oi Adriel, achei seu blog e resolvi dar uma conferida e já amei! Ótimo post ferinha, pessoas bi-polar é muito difícil de se-lhe dar. Acho que as pessoas com esse sintomas, tem que ter um tratamento o quanto antes. Mais convenhamos, quem nunca teve o seu momento bi-polar? kkkkkkkkk – Forte abraço querido e sucesso. 🙂

    BLOG | FAN PAGE | INSTAGRAM | YOUTUBE | GOOGLE+

  2. Nossa anjo que triste né?
    Tipo eu sou uma pessoa muito curiosa quando se diz a mente humana, ás vezes eu fico tentando entender como a minha mente funciona, mas ai eu paro (se não fico mais louca do que já sou rs).
    O que percebo é que basta apertar um gatilho e a nossa mente pode ter um transtorno danado, infelizmente o problema da depressão atinge muito, e boa parte é essa vida corrida e estressante que levamos, temos menos tempo para interagir com as pessoas, rir mais, e quando temos esse tempo… adivinha? Queremos ficar sozinhos.
    Ainda bem que consegue resolver esse problema sem medição, eu acho muito ruim depender de remédios, eu acho que quando se trata da nossa mente deveríamos fazer de tudo para contornar e não depender de remédios.
    E olha, nem sabia que um exercício mudava tanto uma pessoa, acho que vou ser forçada a fazer também hein. rsrs
    Bjs

    jayhanadenardi.blogspot.com.br

  3. As vezes as pessoas tratam a bipolaridade até como modinha, mas sei que é uma coisa que pode mudar drasticamente a vida das pessoas. Obrigada por compartilhar sua experiência. Tenha um dia abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

  4. Oi, Adriel!
    Tenho alguns amigos com bipolaridade e já conheço bem esse transtorno, mas, sabe, sempre dá pra conviver com ela. Meus amigos são felizes apesar disso e acho que é isso que se deve manter na cabeça sempre!
    Que bom saber que você encontrou algo que o faz feliz, que te apresenta melhora!
    Beijoss
    vidaemmarte.com.br

  5. Oi, Adriel!
    Que barra hein!
    Uma vez, me falaram que, quando vamos morar sozinho, é quando nossos problemas aparecem.
    De início, eu também pensei que teria algum tipo de bipolaridade, pois mudava de humor muito rápido. Graças a Deus, quando fui ao médico, ele disse que não era isso.
    Achei muito legal você compartilhar sua experiência.
    Beijos
    Balaio de Babados

  6. Eu sempre fui bipolar, segundo a minha mãe. Sempre tenho meus momentos de alto e baixo num piscar de olhos. Só consegui mudar um pouco quando comecei a fotografar.
    Sempre que estou na bsd saio para clicar e isso melhora e muito meu humor.. A academia já me deixava pior rs, tinha o hábito de ficar me comparando e isso me desanimava.

  7. Eu já pensei que sou bipolar também, justamente por essas oscilações de humor que não acontecem só em um dia, é durante o dia. Porque, vamos combinar que não é todo dia que a gente acorda 100% de boa pra vida e tem aquele dia de merda, mas o meu problema é acordar bem, no meio do dia ficar mal, no final do dia ficar bem, tipo??? Muito no sense e isso acaba maltratando o meu corpo também, porque vou descontando tudo na comida (por isso sou louca pra fazer qualquer tipo de luta). Vou fazer como você e começar pelos testes e se apontar isso mesmo, procurar rapidamente um profissional, porque não to afim de jogar minha vidinha fora não, to muito nova pra isso, hahaha!

    Beijos!
    likeparadise.com.br

  8. Adriel, que post maravilhoso, tenho certeza que vai ajudar muitas pessoas por aí que acham que só estão ficando "chatas demais". A gente esquece que as coisas podem ser um pouquinho mais sérias do que pensamos, né? Fico super feliz que a sua é o tipo 2 e com algumas coisas mais simples você já consegue resolver, e volte logo pra academia pra se sentir melhor, viu? Beijossss <3

  9. Oi!!

    Que bom que você já tem o diagnóstico, agora é tratar e aprender a conviver com ela. Acho que o tratamento é semelhante para a maioria das doenças desse tipo, algumas precisam de remédios, mas a maioria é necessário exercícios físicos, boa alimentação e principalmente a compreensão das pessoas ao nosso redor.
    Boa sorte!

    Beijos

    ooutroladodaraposa.com.br

  10. super importante este seu texto pois muitas pessoas passam por isso e não entendem o porquê! Parabéns pela disponibilidade de trazer esse assunto pra cá! Beijos!

    Renata Arruda
    feminilidades

  11. Eu não sei se concordo que todos os tratamentos psicológicos tenham que ser tratados com remédio, acredito que se for coisas mais simples, existem outras formas. Por isso achei muito legal quando você falou de mudar a sua alimentação e praticar exercícios. São coisas simples que as vezes a gente acha que não vão mudar nada e realmente melhoram! E tem muita gente que também passa por isso e nem faz ideia de que tem, então acredito que textos assim são muuuito importantes, pq pode até não ser isso, mas é a melhor a pessoa ter certeza! Beijoss

    apaixonadaporfinaisfelizes.blogspot.com.br/

  12. Oi Adriel, tudo bom?
    Essa é a primeira vez que visito o seu cantinho e já o adorei de cara!
    Super curti a postagem sobre bipolaridade… É algo que afeta bastante às pessoas. E realmente não é só a medicação que ajuda, existem outros muitos fatores relacionados e é preciso estar cuidando de si o tempo todo. Espero que você consiga encontrar o equílibro perfeito para manter na sua vida tudo que é importante e te faz bem Emoticon grin
    Beijo grande!

    Thati Machado;
    nemteconto.org

  13. Oiee
    nossa que ruim isso…
    Mas que bom que você teve essa noção em perceber, tem pessoas que não percebem e vão se auto destruindo.
    Muito legal a iniciativa em se abrir 🙂
    asoonhadora.blogspot.com

  14. Olá! Eu já namorei um rapaz bipolar, era tenso hahahah
    Acho que em determinada época, acabei ficando como ele, meio instável, mas acho que foi o teor da relação mesmo. Sei que hoje existem remédios que ajudam e muito, mas entendo o quanto é foda conviver com esse transtorno.
    Espero que vc encontre o caminho que te equilibre para sempre.
    Beijos grande.

    >> Vida Complicada <<

  15. Oi Adriel, tudo joia? <3

    Que legal ouvir um pouco do seu testemunho, creio que seja muito importante pra quem está passando por isso ou quem já passou e quem sabe um dia vai passar, né? É incrível como os bons hábitos são completamente importantes, né? As vezes na correria do dia-dia nem damos conta </3. Fico feliz que tenha se recuperado ♥

    beijos
    garota-interior.blogspot.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.